Outubro Rosa... Uma nobre causa e campanha.

Outubro Rosa é um movimento popular internacional para a conscientização da prevenção pelo diagnóstico precoce do câncer de mama. Este movimento começou nos EUA haviam ações isoladas referente ao câncer de mama e ou mamografia no mês de outubro, posteriormente com a aprovação do Congresso Americano o mês de Outubro se tornou o mês nacional (americano) de prevenção do câncer de mama.

O laço cor-de-rosa, foi lançado pela Fundação Susan G. Komen for the Cure e distribuído aos participantes da primeira Corrida pela Cura, realizada em Nova York, em 1990 e, desde então, promovida anualmente na cidade. (www.komen.org).

Para sensibilizar a população as cidades se enfeitavam com os laços rosas, principalmente nos locais públicos, depois surgiram outras ações como corridas, desfile de modas com sobreviventes (de câncer de mama), partidas de boliche e etc. (www.pink-october.org). A ação de iluminar de rosa monumentos, prédios públicos, pontes, teatros e etc. surgiu mais tarde.

Opera House de Sydney, na nossa querida Austrália.

No Brasil a primeira iniciativa em relação ao Outubro Rosa, foi a iluminação em rosa do monumento Mausoléu do Soldado Constitucionalista (mais conhecido como o Obelisco do Ibirapuera), situado em São Paulo-SP (02/10/2002). Em 2008, a Fortaleza da Barra de Santos foi iluminada de rosa no Dia das Mães e tb. Dia Estadual (São Paulo) de Prevenção ao Câncer de Mama. Aos poucos o Brasil foi ficando iluminado em rosa em São Paulo-SP, Santos-SP, Rio de Janeiro-RJ, Porto Alegre-RS, Vitória-ES, Brasília-DF, Salvador-BA, Teresina-PI, Poços de Caldas-MG e outras cidades.

Agradecimentos especiais à da Zig Zag Renata Rasseli Zanete e a fotógrafa Monica Zorzanelli pelo apoio a campanha do câncer de mama.

Na Terceira Ponte e Convento da Penha

fonte: http://www.outubrorosa.org.br/historia.htm

Não se esqueçam meninas... "A Prevenção é o melhor caminho para a cura!"

Bj Simone

No Jornal A Gazeta de hoje, pois Outubro é Rosa, e apoiamos

a causa. Na foto, Monika Serrão, Bea Szpilman e Simone Monteiro

Comentários